Pão de Banha

Uma das minhas mais remotas lembranças passam pelo pão. Lembro me de ir com o meu pai, Alentejo dentro numa das nossas viagens de Domingo. Entrarmos numa quinta bem rural, onde os campos cultivados à nossa volta,tinham semeadas alfaces, tomates,couves, batatas, favas, feijão verde e talvez outras coisas que naquela idade não sabia reconhecer. Lembro me de uma senhora, bem velhota, de cara bem enrugada, de lenço azul na cabeça, e de uma simpatia e hospitalidade que sempre atribui aos alentejanos.(Sou amante desta terra e do seu povo que sempre me acolheu bem.) Voltando à minha memória.... Essa senhora de já avançada idade, movia-se devagar mas com firmeza nos pés e lá nos encaminhou para um barracão no fundo da sua horta. De lá saia um fumo negro da chaminé que cheirava a lenha e a fumeiro. O barracão, enorme por sinal, tinha o forno acesso e à espera de serem retirados do forno estavam alguns maravilhosos pães. Não consigo descrever-vos o cheiro que  emanavam, mas posso dizer que cheiravam a experiência e a prazer. Eram todos grandes, lindos e dourados.
Com aqueles típicos canivetes de mola (com que imaginamos todos os alentejanos e a sua chouriça), a senhora cortou fatias bem grossas que fumegavam e que abriam ainda mais o apetite e a vontade de provar. Mas eis que para meu regalo esta senhora nos apresenta um queijo fresco, feito por ela no dia anterior. Foi um misto de pão quente e escorregadio com um queijo delicioso e fresco, que jamais provei algo igual, e lá avançaram directamente para as minhas mais saborosas memórias. Ainda hoje falamos nisso com saudades...
Vim mais tarde a saber que essa senhora era muito conhecida pelos seus pães de banha...

Pão de Banha

500 gr farinha
1 ovo
1+1\2 c. sopa de banha
1 saqueta de fermento padeiro em pó
1 pitada de sal
1 c. sopa de açúcar
250 ml de leite morno

  • Colocar o leite, o ovo, o açúcar, a banha, o sal, a farinha e o fermento na cuba da mfp.
  • Programar o ciclo de amassar e levedar.
  • Se a massa se apresentar um pouco seca adicionar mais um pouco de leite, pois varia de acordo com as farinhas usadas.
  • Terminado o programa retirar a massa para uma superfície enfarinhada e dar a forma pretendida ao pão.
  • Colocar num tabuleiro polvilhado de farinha e deixar levedar (tapado) por mais 45 minutos, num sitio morno.
  • Levar ao forno a 180ºc até que esteja cozido e dourado.

Espero que cada fatia vos consiga levar aquela quinta  nem que seja por um segundo...

Bem bom...



Comentários

  1. Rita o pão tem um aspecto rústico e claro que me levou á quinta não por segundos mas por um dia inteiro que tanto gostava de lá passar :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Hummmm...deve ter um gostinho bem especial este pão, adorava provar!

    ResponderEliminar
  3. Bom dia! Gostei muito da receita. Adoro pão acabadinho de fazer!
    Beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  4. Ana Rita, o pão leva-me sempre e invariavelmente à minha infância... não fosse a minha avó a Padeira da aldeia. E que bom aspeto este pão apresenta...
    Grande beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahh então já sei de onde vem essa veia de cozinheira aprumada!!!
      Bjoka
      rita

      Eliminar
  5. O interior desse pão está fantástico!
    Já apetecia uma fatia dessas!

    ResponderEliminar
  6. O pão ficou com um aspecto fantástico.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Que aspecto maravilhoso! Adorava poder provar uma fatia...
    beijinho

    ResponderEliminar
  8. Que pão BOM! Ficou com um ar fantástico e o interior até faz água na boca.

    Beijnhos

    ResponderEliminar
  9. Este pão está com um aspecto formidável. Já comia uma fatia :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Que rústico y que bueno...
    Menuda miga!!

    ResponderEliminar
  11. Hummm! É sempre bom recordarmos a infância. Sou apaixonada por pães, este dá para ver que ficou muito macio e saboroso.
    bjs

    ResponderEliminar
  12. Ficou super fofinho, que maravilha, vou experimentar.
    Bjo

    ResponderEliminar
  13. Nunca experimentei com banha, mas dizem que é de facto bom.
    Tenho que fazer.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. É tão bom recordar outros tempos, tempos felizes quase a perder de vista, deixaste-me a sorrir.
    Adorei o teu pãozinho Rita, e lembro-me perfeitamente que a minha avó alentejana cozinhava com banha e azeite. Os bolos e o pão, também os fazia com banha sim senhora.
    Um dia deste farei este pãozinho.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha avó também é alentejana e o meu avô. Foi com ela que aprendi muito da tradicional cozinha alentejana. Acreditas que ela só quando foi para Lisboa é que começou a usar margarina pois sempre usou o azeite (até para fritar carne e peixe) e a banha?Ainda hoje ela faz a banha e não compra. Diz que prefere saber de onde vem!!Até a entendo mas eu confesso que não tinha paciência para o fazer, apesar de gostar de depois comer os torresmos que sobram quando ela a faz!E pensando nisso já não os como há imenso tempo!!!

      Bjoka
      Rita

      Eliminar
  15. Já levo a receita!
    Adoro o Alentejo! Sou alfacinha mas sinto-me muito alentejana! Entre pais, irmãos, tios e alguns primos, só eu tinha de ser diferente! :)
    Adoro a terra, as pessoas, o cheiro do inverno, do verão (sim, porque têm cheiros diferentes :)) as aldeias branquinhas, etc... tanta coisa poderia ficar a dizer que adoro.
    Se falarmos de culinária... pronto não vou enumerar... gosto de tudo! Mas a perdição ao pequeno almoço quando vou passar o fim de semana a casa da minha mãe, é mesmo o Pão Alentejano e o Queijo Fresco acompanhados de uma boa caneca de café com leite! Minha nossa, não sei onde se arranja tanto apetite quando lá estou.
    Por isso, esta receita vou experimentá-la de certeza!
    Muitos beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Angela,
      Sou alfacinha também mas mudei me há 3 anos para o Alentejo e como tenho familia daqui sempre me afirmei como alentejana de alma. As minhas memórias de menina são quase todas daqui e do que por aqui vivi...Quanto à culinária não há igual e a comidinha da minha avó é o que mais identifico como alentejano puro! Desde folares, pão, açordas, migas e outras coisas foi dela que tirei o gosto pelo tradicional alentejano. Espero que gostes deste pãozinho, só faltou o forno de lenha!!!
      bjoka
      Rita

      Eliminar
    2. É verdade... o forno de lenha!
      Lembrei-me das torradas que o meu fazia nele e depois barrava com azeite...
      Já agora, São Luís fica perto de Odemira?
      A terra dos meus pais é Pedrógão do Alentejo (Vidigueira/Moura).
      Beijinhos

      Eliminar
    3. É bem pertinho sim, a 15 minutos de Odemira e a 15 minutos de Vila Nova de Milfontes!!!
      Já fui para esse lados ...
      Um dia destes tens de vir aqui ao meu pedacinho de Alentejo!
      Bjoka
      Rita

      Eliminar
    4. Já passei férias em Vila Nova de Milfontes e gostei imenso de toda essa área. Estive em Odemira, Zambujeira, Porto Corvo. Não estive em São Luís, mas o nome não me era estranho e fui agora confirmar ao mapa e já me situei! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  16. Uma experiência inesquecível, são estes sabores tão verdadeiros que nos ficam na memória. E nos enriquecem. E este pão está lindo, grande e fofo, robusto. Já se comia :)
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  17. Dear Ana Rita, These memories are beautiful. They are what life is all about, memories of family and love.
    The bread is just beautiful. Blessings my dearest, Catherine xoxo

    ResponderEliminar
  18. GOSTEI DESSE PÃO , VOU JÁ BUSCAR A MANTEIGA...
    BJS

    ResponderEliminar
  19. Nossa Rita!Que maravilha de pão é esse?!Adoro pão de banha e esse ficou um espetáculo e cheio de lembranças doces melhor ainda...beijão

    ResponderEliminar
  20. Ana Rita, este pão transpira Alentejo, o meu Alentejo.
    A banha é posta de parte a maior parta das vezes hoje em dia, mas torna qualquer prato muito mais saboroso, imagino o pão.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  21. That close up shots are making me to grab food from the screen....so drool worthy

    ResponderEliminar
  22. Olá,
    Uma verdadeira delicia.

    Um bjinho e boa semana*

    ResponderEliminar
  23. Rita, por momentos estive também nessa quinta e visualizei tudo o que tão bem descreveste! A senhora, a horta,o queijo, a tal navalha e o pão...ah e claro quase lhe senti o cheiro!
    Não tenho família no Alentejo mas sempre tive uma enorme simpatia por essa região tão rica em pessoas e gastronomia, são muito generosos e acolhedores. Já visitei quando tirei o meu curso, pois fizemos uma viagem de 2 semanas a toda a zona sul de Portugal, gostei mesmo...até me deixaste com saudades...vives numa zona maravilhosa!
    Gostei deste pão, que sinceramente desconhecia que existia, mas estamos sempre a aprender!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Olá Rita:)
    Que belas recordações, quase que consegui estar lá a ver tudo a acontecer:) Que maravilha, um pãozinho acabado de fazer com um delicioso queijo fresco caseirinho, até fiquei invejosa(no bom sentido:D)!!
    Adorei o teu pão, para além de ter ficado lindo, a massa ficou com uma textura irresistível! Levo comigo para experimentar!
    Beijinhos:)

    ResponderEliminar
  25. Huumm que aspecto!
    É incrível o que somos capazes de fazer só com memórias!!! Imagino esse Alentejo maravilhoso e acolhedor.....Na nossa infância....Devia ser ainda melhor!
    Lindas memórias.....
    Bjocas

    ResponderEliminar
  26. Amiga mas que pão maravilhoso, deve ter ficado um must....bjokitas

    ResponderEliminar
  27. Que lembrança tão boa! Nunca comi pão de banha, mas como tudo, deve ficar muito saboroso! Mas pão quente com queijinho fresco caseiro, isso sim...e é divinal!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O vosso comentário é sempre bem vindo!
Obrigada e beijinhos,
Ana Rita